USA rules infographic in world

Neste gráfico feito a partir dos resultados do Malofiej 19, os Estados Unidos domina a produção de infográficos no mundo. Mas olha lá o Brasil no terceiro lugar. Motivos de sobras para comemoar. Uhu!

 

Anúncios

Malofiej 19: o melhor da infografia mundial

Nicolás Ramallo, do blog Haga Clic para Continuar, fez uma compilação dos prêmios no Malofiej 19. Destaco os principais:

PREMIO PETER SULLIVAN IMPRESO (BEST OF SHOW)
Gulf of Mexico, de National Geographic


PREMIO PETER SULLIVAN ON LINE (BEST OF SHOW)
How Mariano Rivera Dominates Hitters, de NYTimes.com

 

MEDALLAS DE ORO IMPRESOS
World of Rivers, de National Geographic (premio Miguel Urabayen al mejor mapa)

 

Confira lista completa da premiação.

Infografias brasileiras premiadas no Malofiej 19

Este slideshow necessita de JavaScript.

Considerado o “Pulitzer em infografia” ou o “Oscar, o Brasil levou 12 medalhas  na  19 edição do Malofiej, ocorrido de 22 a 25 de março, em Pamplona, Espanha.

O Estadão venceu 5 prêmios (uma de ouro, uma de prata e três bronzes). Na categoria on line, foi o único grupo brasileiro que ganhou a medalha de ouro e prata nesta categoria com os infográficos “Tapuiassauro, o novo dinossauro do Brasil” e “Onde atuam os 736 jogadores da Copa”, respectivamente.

Na minha opinião, o ouro era para “Onde atuam os 736 jogadores da Copa”, devido ao seu modo peculiar de narrar o  fato, com riqueza informativa, estética apurada, e alto nível de interatividade.

Na categoria impressa, receberam bronze os trabalhos do Estado sobre a baleia-jubarte, o tapuiassauro e a “Geografia do voto”.

Outros veículos rasileiros que levaram medalhas:

IG: Quem precisa de motorista? e Os dez piores acidentes aéreos do mundo

Veja.com: Quanto você sabe sobre os candidatos a presidente?

Categoria impresso:

Folha de S. Paulo. ‘Genealogia dos partidos políticos’, ‘A vida a bordo de uma plataforma petrolfífera’ e ‘Geografia de um voto’.

Revista Galileu: ‘ As pedras do Caminho’

Revista Época: “A população brasileira cresce mais nos presidios”

Participaram, neste ano, 151 meios de comunicação de 29 países. Foram inscritos, nas duas categorias, 1.356 trabalhos. Das 110 medalhas distribuídas pelo júri neste ano, 8 são de ouro, 25 de prata e 77 de bronze.Os prêmios nesta 19 edição estiveram muito concentrados, das 110 medalhas, mais da metade foram só a 5 publicações: The New York Times (29), National Geographic (10), Público (da Espanha: 7) Washington Post (6), e Clarín (6).

Repensando o conceito de infografia

Entrevista muito bacana do David Alameda, infografista do El Mundo.es, em que discorre sobre o processo de produção de uma infografia. O que mais me chamou atenção nesta entrevista é a frase abaixo que  abre o post, quando ele define, em poucas palavras,  infografia:

¿Qué es o cómo definirías la infografía?
Básicamente la definiría como la ‘magia’ de contar cosas usando imágenes como ingrediente principal.

Muito pertinente esta definição do Alameda porque coloca em xeque todo o conceito construído sobre infografia, na qual parte dos pesquisadores (de Pablos, Valero Sancho, Peltzer, Leturia, Colle, Borrás e Caritá, Cairo, entre outros) vão assinalar que a infografia tem que conjugar texto e imagem, em sintonia. Particularmente, concordo parcialmente com esta assertiva sobre o conceito de infografia. Acredito que ela tenha mais validade no suporte impresso, que ainda mantém uma linearidade de apresentar as informações e modo de produção.

Contudo, quando se trata de web e nos modos diferenciados de visualizar a informação, nem sempre o texto entra como elemento estruturante para apresentar determinada informação. E esse fato não implica em perda de qualidade infográfica. Não é regra e precisa ser revista, principalmente em infográficos para a web. Foi o que tentei trazer à baila na minha pesquisa de mestrado, considerando novas especificidades do novo suporte. No estágo atual da infografia, as bases de dados são elementos estruturantes para a narrativa interativa e mais analítica, como nos diz Cairo.

As bases de dados conferem novas características para a produção da infografia que merece ser investigada, pois observa-se que vem sendo adotada para dinamizar a narrativa e proporcionar modos diferenciados de visualização da informação, tendo em vista que trata-se de um produto visual em sua plenitude.  O que acontece é que quando a infografia migra para a web ela carrega a metáfora do impresso, inclusive em suas definições.

Essa questão foi importante naquele demarcado momento de transição de plataformas, do impresso ao digital, mas que hoje, em sua fase madura, não atendem obrigatoriamente à esta definição. Há infográficos que são só números e imagens em movimento, números se cruzando e produzindo novas tematizações, etc, ou uma mescla disso tudo, ou um pouco de um de outro. Não há regras onde a web é o limite.

Ou como nos diz Zygmunt Bauman:   Chegou a vez da liquefação dos padrões de dependência e interação. Eles são agora maleáveis a um ponto que as gerações passadas não experimentaram e nem poderiam imaginar; mas, como todos os fluidos, eles não mantêm a forma por muito tempo. Dar-lhes forma é mais fácil que mantê-los nela.

Eventos sobre Visualização de dados, infografia e design 2011

Aqui uma pequena lista de eventos na área da visualização de dados, design e infografia.  Temas como esses são uma ótima maneira de ver, aprender, manter contato e se inspirar nos mais variados modos de visualizar a informação. Em tempo: a lista não é definitiva!

Malofiej (23 de março de 2011 – Escola de Comunicação da Universidade de, Pamplona, ​​Navarra, Espanha)

Visualizar’11

14 de junho de 2011 Plaza de las Letras, em Espanha, Madrid

SIGGRAPH 2011

7 de agosto de 2011 Centro de Convenções de Vancouver, Canadá

SND STL

29 de setembro de 2011 São Louis, EUA

Visualização na Era da Informatização

25 de março de 2011 Saïd Business School da Universidade de Oxford, no Reino Unido

Dados 2,0

04 de abril de 2011 Mission Bay Conference Center, em San Francisco

Estética Computacional

05 de agosto de 2011 Centro de Convenções de Vancouver, Canadá