Infografia na era dos dados e gêneros e formatos multimídia

Semana corrida, mas resgistro aqui dois documentos muito pertinentes ao analisar os novos formatos e narrativas na web, sobretudo, utilizando os elementos gráficos. Um, é o doc. feito por Alberto Cairo durante o Seminário virtual promovido pelo Instituto de Prensa, ocorrido ontem.  Em  A beleza da simplicidade: o poder da infografia na era dos dados, Cairo enfatiza que cada vez mais a simplicidade, gráficos explicativos devem vir à tona na visualização da informação, e que há confusão entre arte e infografia: ”

“Tradicionalmente, la confusión entre arte e infografía se debía al número exagerado de diseñadores e ilustradores en los departamentos de gráficos y a la falta de educación visual de los editores, que no entendían la infografía como un lenguaje periodístico”.

Cairo nos fala em Deep Simplicity (profunda simplicidade), ou seja,  que o profundo entendimento de um determinado fato ou acontecimento pode aumentar simples representações. “Cuanto más complejo sea un gráfico y menor el conocimiento de los lectores sobre su contenido, o sobre cómo usarlo, mayor debe ser la cantidad de explicaciones”.

Um outro documento disponível é o Generos_y_formatos_multimedia, do professor Ramón Salaverría. que destaca as novas linguagens jornalísticas na internet. Entre elas, o professor destaca a infografia, dividida em fases: 1) infográficos interativos (1998); 2) infográficos lineares (2000); 3) infográficos 3D (2002) e 4) Database infographics (2005).

Salaverría mostra muitos exemplos de infografias do The Ney York times nestas fases que ele estabeleceu.

Enfim, documentos para não perder de vista.

Anúncios

“O infografista deve pensar como jornalista”

Recentemente, Alberto Cairo que dispensa apresentações, esteve no Brasil onde ministrou um curso sobre infografia na Universidade Federal de Santa Catarina- UFSC, local onde há um grupo de pesquisa o NUPEJOC que vem se dedicando as pesquisas dos infográficos.

Cairo concedeu uma entrevista para o grupo de pesquisa, e  diz que “não acredita que a infografia seja a salvação do jornalismo impresso. “A infografia  ajudará na mesma medida que um bom texto ajuda, ela é uma ferramenta para transmitir o conteúdo”.

Alguns trechos:

N – O que você acha fundamental para a formação de um bom infografista?

C – É importante que você saiba pensar como jornalista, que saiba um pouco de estatística, um pouco de cartografi a, um pouco de design gráfi co, um pouco de animação para a infografi a online, mas o mais importante é saber ser jornalista e pensar visualmente.

N – Com relação à infografi a para jornalismo online, percebemos que às vezes a interatividade e a multimidialidade atrapalham a qualidade de informação. O que seria então a diferença fundamental entre infografia para impresso e para online?

C – A diferença fundamental é a quantidade de espaço e tempo que você tem para contar a história. Muitas vezes, o trabalho de edição é mais importante que o trabalho de produção. Você não deve colocar mais detalhes simplesmente porque você pode coloca um vídeo, ou porque você pode colocar um áudio.

N – Como você avalia o mercado de infografi a no Brasil?
C – Os profissionais são ótimos, mas o Brasil tem um problema comum a de qualquer outro país que é a falta de comunicação entre os departamentos de arte e infografias com as redações. Falta um pouco a figura de jornalistas que sejam pontes, que sejam tradutores e façam uma conexão entre os departamentos. Isso é o que eu entendo por um jornalista multimídia, não um jornalista que saiba fazer tudo, áudio, vídeo, texto, mas tenha um conhecimento básico de diversas áreas e se especialize em uma.

N – É essencial para o jornalista saber infografi a e saber pensar infograficamente?
C – É básico para o jornalista saber o que é infografi a e pra que ela serve. Ele não precisa saber fazer infografia.

By Adriana Rodrigues

Infografia 2.0 à venda este mês

Boas notícias para quem pesquisa infográficos e visualização da informação. Depois de disponibilizar o sumário e as primeiras páginas do seu livro Infografía 2.0: visualización interactiva de información de prensa,   Alberto Cairo, um dos mais renomados infografistas atualmente, avisa em seu blog que o livro estará disponível para a venda a partir do dia 9 de setembro, através da editora elcorteingles.es e fnac.es.  E aproveitando a fase do pré-lançamento do livro, o 233 grados, mantido por Mario Tascón, fez uma entrevista com Cairo, em que debruça suas análises sobre as mudanças dos infográficos on line, fala do seu livro, claro, e aponta tendências sobre a produção dos infográficos mundiais. Eis um trecho:

Por una parte tendrá más interacción. La infografía puede convertirse en herramienta de software, en un medio para que los lectores exploren los datos y la información por sí mismos, creen variantes de los escenarios, personalicen los resultados e incluso los guarden para usos posteriores. Por otra parte, será más multimedia“.

 

Adriana A. Rodrigues