Databasecast sobre infografia e visualização de dados

À convite do Mauro Pichiliani que contactou-me através do meu blog semanas atrás, pude participar  de mais uma edição do podcasting DatabaseCast, na qual aborda questões sobre base de dados que já está disponível no site. Ao lado do Mauro, participaram também o Wagner Crivelini  e o Tiago Doria, onde debatemos, rimos, expomos idéias sobre infografia e visualizações de dados em voga com mais ênfase atualmente.

Na verdade, foi uma conversa on line muito proveitosa, descontraída que aconteceu semana atrás. O Mauro e Wagner nos deixou bem à vontade, fazendo a intermediação de maneira atrativa e livre, deixando assim, o debate mais interessante.

Aproveito aqui e agradeço ao Mauro  pelo convite de poder discutir sobre infografia e visualização de dados, fruto de minhas pesquisas desde de 2004.

então, aqui vai o programa completo.

Designing Graphic Presentations

Designing Graphic Presentations from First Principles é   a dissertação de mestrado de Michael Schiff, da Universidade da Califórnia, EUA. Esta dissertação descreve uma abordagem dos princípios de projetar automaticamente apresentações gráficas de informação. Os componentes desta abordagem incluem um quadro conceitual para discutir como codificar informações, algoritmos para determinar se um método de apresentação será capaz  de apresentar um determinado tipo de informação, design e princípios para garantir a interpretação e perceptiva eficácia de um método de apresentação.

Eis o abstract e a conclusão da pesquisa:

Abstract:

 “Compared with previous approaches to automatically designing presentations, the approach outlined in this dissertation is more fine-grained and more general. It begins with an extremely general notion of how graphic presentations can encode information, then develops this into a useful framework by making a number of explicit assumptions about the types of presentations that people can use. This framework serves as a basis for analyzing the space of possible graphical languages-i.e., the space of systematic methods of presenting data. The logical adequacy of different graphical languages for different types of information, and criteria and methods for composing graphical languages for different data are also explored”

 

Conclusions:

 “This dissertation presents a new approach to the problem of automatically designing graphic presentations. Based on the evidence presented in chapter 7, I think this approach can be considered a qualified success. As the examples of that chapter demonstrate, a system operating from first principles can be capable of designing a wide range of graphic presentations, including standard ones such as bar and network graphs, variations on these standards, and even rather complicated and unusual ones such as the graph of Napoleon’s Russian campaign. While a system making use of predefined languages can certainly be capable of designing standard presentations and some variations of these presentations, getting it to design unusual variations or new types of presentations will be difficult unless the techniques are known in advance and pre-programmed”.

 

 

tese2

 

tese

Richard Curtis aposenta-se do jornalismo

usatmug002Considerado um dos gurus do design gráfico, Richard Curtis, do jornal americano USA Today, a partir do dia 23 de dezembro, não será mais o responsável pelo Departamento de Design: ele acaba de anunciar sua aposentadoria,  publicada na página do SND. Há 30 anos dedicado ao jornalismo, Curtis foi o responsável, na década de 1980, pelo pioneirismo em valorizar do jornalismo visual e das narrativas visuais – sobretudo os infográficos- como algo institucionalizado, fato que colocou em prática todo o conceito de grafismo, seguido por outros jornais do mundo inteiro.  Trata-se, porém, de uma revolução no design, época em que a chegada dos Macintoshs, da Apple, causava profundas mudanças na concepção do fazer jornalismo.

Curtis também ajudou na fundação da Sociedade do Design das Notícias,  uma das instituições mais influentes  no campo do jornalismo visual. Os fundadores dos USA Today o classificam como o número 1 quando a Revista Design elencou os melhores profissionais na área de design. O Legado do USA Today sob o comando de Curtis, sem dúvida, foi institucionalizar o jornalismo visual, o  papel do uso das cores vivas e o mapa metereólogico. Curtis imprimiu sua marca  e fez história num dos maiores jornais americanos e no design.

Eis um trecho do anúncio:

“Portanto, é com alguma relutância, mas também muita antecipação daquilo que o futuro reserva anunciar que eu estou deixando USAT no final de dezembro. Aposentadoria é algo que eu já contemplada por mais de um ano, e enquanto ela tem de vir em algum momento, muitos fatores que tornam este o momento certo.”

Mais:

Curtis fala para Marcio Gracia sobre o uso da cores no USA Today

Richard fala sobre o uso de infográficos:

Curtis fala sobre a importância das ilustrações no USA Today