A infografia no jornalismo informativo e interpretativo

“As contribuições da infografia para o jornalismo informativo e interpretativo“. Esa foi minha aula ministrada na UEPB hoje pela manhã para a uma turma do segundo semestre de comunicação social – hab. jornalismo. O convite surgiu do professor Luiz Custódio, docente da Universidade, na qual fui aluna dele durante o período que cursei jornalismo (2001-2005). Aula foi interessante, alunos questionaram e outros se interessaram muito pela temática – isso quer dizer que o objetivo [da aula]foi atingido, fato que me deixou lisonjeada.

Para mim, uma honra poder mostrar parte das minhas pesquisas, incursões, inquietações sobre infografia para a turma de Custódio, pessoa ímpar, bastante estimada por mim e na qual tenho muito orgulho de ter sido sua aluna. Um segundo sentimento que (re) surgiu foi o de voltar para a Universidade onde me formei, agora não mais como aluna. Uma sensação diferente, meio nostálgica aflorou em mim, ao mesmo tempo que uma sensação de orgulho emergia quando passeava pelo campus reformado, com novos ares, novas cores, novas pessoas.

Então, assim como venho fazendo em muitas das minahs aulas e apresentações por aí afora, disponibilizo os slides utilizados lá. A infografia, claro, é um produto visual, então, slides são sempre  eficazes  para a didática da aula.

As contribuições da infografia para o jornalismo informativo e interpretativo

Anúncios

Qual o limite para a produção de infográficos?

Se estamos diante de novas formas de produção de infografia, qual seria o ou os limites de construção de narrativas mais dinâmicas e sofisticadas na web? eu diria que os infográficos jornalísticos, produto que mais se renova/inova na web, desafia os limites de tempo, espaço, criatividade, dinamismo para a criação de narrativas cada vez mais interessantes.

Prova disso foi este vídeo sobre o Japão que mostrei, no final de semana passado, aos alunos do curso de Pós-Graduação em Jornalismo e Convergência Midiática, na Faculdade Social da Bahia, na qual leciono a disciplina de Infografia Multimídia na Era da Convergência.

Com o desenvolvimento das tecnologias digitais, cada vez mais dinâmicas,interativas e personalizáveis, tudo pode ser infografado. Até mesmo assuntos pessoais pode virar uma visualização. Um exemplo de como gostos pessoais pode virar infografia, é o site IONZ, que permite infografar contas de emails, quantas horas  voê dorme, qual a rede social que mais utiliza, meio de transporte, comida, etc. Essa foi dica da aluna Iloma Sales, que trabalha no Jornal A Tarde de Salvador.

Aqui alguns  vídeos que mostrei na aula: